segunda-feira, 16 de outubro de 2017

#HappyBirthdayFlea



Hoje, 16 de outubro de 2017, nosso baixista Flea comemora 55 anos!

Vale a pena ler um pouco da história e trajetória do nosso grande baixista, desde sua infância, participações nos álbuns até os dias de hoje.

Início 
Flea nasceu em Burwood, Melbourne, Austrália. Seu pai, Mick Balzary, um ávido pescador, muitas vezes levou-o para pesca. Quando tinha 5 anos foi para Larchmont, Nova Iorque nos Estados Unidos com sua família por causa da carreira de seu pai. Em 1971, seus pais se divorciaram e seu pai retornou a Austrália. Depois do divorcio dos pais, em 1972, Flea e seus irmãos ficaram com sua mãe, que logo se casou com um músico de jazz. A família se mudou novamente para Los Angeles, Califórnia, onde Flea ficou fascinado com o trompete. Ele não tinha interesse em rock na época, ele idolatrava músicos de jazz como Miles Davis, Louis Armstrong e Dizzy Gillespie.


Fairfax HighSchool 
Flea estava estudando na Fair fax HighSchool, e era fascinado com a trombeta, praticando muito também, não tendo interesse em música rock na época. Seus colegas debochavam de seu sotaque autraliano-nova iorquino e de seu "estranho" gosto musical.

Conheceu Anthony Kiedis ainda na escola, e depois de uma breve conversa, os dois se tornaram melhores amigos. Kiedis relembra: "Nós fomos atraídos um ao outro pelas forças do mal, do amor e que nos tornamos praticamente inseparáveis. Encontramos um ao outro e acabou por ser a amizade mais duradoura da minha vida". Flea foi transformando seu gosto para o rock, principalmente o punk rock por um amigo no colégio chamado Hillel Slovak. Slovak pediu-lhe para ser um baixista de uma banda punk estava começando. Ele conheceu Anthony Kiedis, eles tornaram-se companheiros de quarto e depois de um tempo, eles foram oferecidos um show e tocou com um nome provisório. No entanto, todos os shows depois disso, eles eram conhecidos como os Red Hot Chili Peppers. Flea logo adotou o apelido, dado a ele em uma viagem de esqui, em referência à sua natureza nervosa e inconstante.

Vida Pessoal 



De 1985 a 1990 Flea foi casado com Loesha Zeviar. Juntos eles tiveram uma filha, Clara Balzary, que nasceu em 1988. Clara tem sido destaque em muitos livros e documentários dos Chili Peppers, incluindo o documentário da banda chamado Funky Monks. Ela também já apareceu em vários shows e até mesmo como uma criança, desde obras de arte para a banda de camisetas e material promocional. Adulta, Clara foi mais recentemente membro da banda de curta duração The Tints e também é uma fotógrafa, tendo feito as fotos promocionais para o mais recente álbum do Red Hot Chili Peppers, I'm With You.Flea é um antigo torcedor do Los Angeles Lakers junto com o amigo e cantor Anthony Kiedis. Flea se casou pela segunda vez em 2005 com a modelo Frankie Rayder. Eles tiveram seu primeiro filho juntos, Sunny Bebop Balzary, que nasceu em 2005. John Frusciante é o padrinho de Sunny.


Participações em filmes 
Flea Participou de muitos filmes, entre eles: The Wild Side (1983), Thrashin' (1986),Suburbia (1986), Thought Guys (1986), Dudes (1987), Less Than Zero (1987), Stranded (1987), The Blue Iguana (1988), Let's Get Lost (1988), Back To The Future Part II (1989), Back To The Future Part III (1990), My Own Private Idaho (1991), Motorama (1992), Roadside Prophets (1992), Son in Law (1993), The Chase (1994), Just Your Luck (1996), Whiskey Down (1996) , Liar's Poker (1997), Gen 13 (1998), The Big Lebowski (1998), Fear And Loathing in Las Vegas (1998), The Wild Thornberrys (1998) - TV series [voice], Psyco (1998).


Estilo Musical 
Flea exibiu uma grande variedade de técnicas ao longo dos anos, que vão desde o seu uso inicial do slap com os métodos mais tradicionais por ele utilizados desde o Blood Sugar Sex Magik. Greg Prato da Allmusic diz que: "através da combinação do estilo funk no baixo com psicodélico, punk e hard rock, Flea criou um estilo original de tocar que foi copiado inúmeras vezes." Billy Corgan, do The Smashing Pumpkins recorda que, quando viu pela primeira vez o Red Hot Chili Peppers em 1984: Flea estava tocando de forma tão agressiva que tinha feito um buraco em seu polegar e ele gritava de dor entre as músicas, de tanto que doía. Flea é dono de uma Fender Jazz Bass 1961, valorizando-o pela sua "som de madeira velha". Ele tem contribuído para o som do Red Hot Chili Peppers 'não só com o baixo, mas por tocar trompete, assim, que pode ser ouvido em várias músicas, como em "Subway to Venus" e "Taste The Pain" do álbum Mother's Milk e "Torture Me" e "Hump De Bump" do Stadium Arcadium. Flea declarou em uma entrevista que ele foi muito influenciado pelo trompetista Louis Armstrong.

Gravações com o Red Hot Chili Peppers e Rock And Roll Hall Of Fame 2012 

Flea participou de todos os álbuns do Red Hot Chili Peppers juntamente com o vocalista Anthony Kiedis. O mais recente álbum é o "The Getaway" de 2016. Até o momento, o Red Hot Chili Peppers já venderam mais de 65 milhões de álbuns em todo o mundo. O grupo detêm o recorde de mais hits número um na Alternative Songs (12) e ganharam 6 vezes o Grammy Awards. No dia de 14 de abril de 2012, o Red Hot Chili Peppers entrou na história da música ao entrar no Rock And Roll Hall Of Fame.

#HappyBirthdayFlea

sábado, 14 de outubro de 2017

Red Hot Chili Peppers live @ Austin, Texas - 14/10/2017


Show do Red Hot Chili Peppers no Austin City Limits Music Festival em Austin, Texas, Estados Unidos da América, no dia 14 de outubro de 2017.

Setlist:

1. Around The World
2. Snow ((Hey Oh))
3. Otherside
4. Dark Necessities
5. Universally Speaking
6. I Wanna Be Your Dog
7. Right On Time
8. Go Robot
9. Californication
10. The Power Of Equality
11. Encore
12. Higher Ground
13. Under The Bridge
14. By The Way 
Encore:
15. Goodbye Angels
16. Give It Away

Fotos:









Review: Red Hot Chili Peppers live @ Porto Alegre, Rio Grande do Sul - 14/10/2002

Hoje, 14 de outubro de 2017, completa 15 anos do show do Red Hot Chili Peppers na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Foi a última apresentação da banda no Brasil durante a turnê mundial do álbum "By The Way" em 2002.

O grupo californiano Red Hot Chili Peppers encerrou em Porto Alegre (RS) sua mini-turnê brasileira. Foram colocados à venda 15 mil ingressos. Os dois shows que o Chili Peppers fez no Rio de Janeiro e em São Paulo empolgaram a platéia.

No Rio, foram 8.500 pessoas. Em São Paulo, 50 mil.

Os shows foram praticamente iguais, com abertura da música "By the Way", hit que emplacou o novo CD, com o mesmo nome. Sucessos antigos, no entanto, transformam a apresentação em algo memorável. A banda de abertura do show no entanto foi diferente dos shows em São Paulo e no Rio de Janeiro que tiveram a abertura da banda Detonautas. A banda de abertura do show em Porto Alegre foi da Comunidade Nin-Jitsu.

Depois de "Give It Away", talvez o maior sucesso, gravada em 1991, a banda embalou em "Under The Bridge" para terminar o show, com um bis de três músicas.

Red Hot Chili Peppers 
Onde: Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre (av. Padre Cacique, 981)
Quando: segunda, dia 14, às 21h15
Show de abertura: Comunidade Nin-Jitsu
Quanto: R$ 70 (arquibancada e pista) e R$ 100 (cadeira) 

Set-list:

1. Intro 
2. By The Way 
3. Scar Tissue 
4. Around The World 
5. Universally Speaking
6. Otherside 
7. Right On Time 
8. Don't Forget Me 
9. Easily 
10. Trow Away Your Television
11. Parallel Universe 
12. The Zephyr Song 
13. Venice Queen 
14. Californication 
15. Can't Stop 
16. Give it Away 

Encore: 

17. Chad Drum Solo 
18. Under The Bridge 
19. Me and My Friends

Fotos:




Red Hot Chili Peppers irá fazer parte do evento "Stand Up for heroes" no The Theater at Madison Square Garden


O Red Hot Chili Peppers irá tocar no evento "Stand Up for heroes" no The Theater at Madison Square Garden, na cidade de Nova York, no dia 07 de novembro de 2017.

Este evento reúne grandes comediantes do stand up e também vai contar com a presença do grupo, além de beneficiar os membros feridos do exército e das suas famílias. 

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Review: Red Hot Chili Peppers live @ São Paulo, São Paulo - 12/10/2002

Cerca de 50 mil pessoas lotaram o Pacaembu para assistir o Red Hot Chili Peppers
Hoje, 12 de outubro de 2017, completa 15 anos do show do Red Hot Chili Peppers em São Paulo - SP em turnê mundial do álbum "By The Way". O local do show foi no estádio do Pacaembu.

De acordo com informações da assessoria de imprensa do show do Red Hot Chili Peppers, 50 mil pessoas foram ao estádio do Pacaembu na noite do sábado (12/10/2002) para assistir ao segundo show que a banda californiana faz no Brasil nesta semana. Na sexta-feira, dia 11, no Rio de Janeiro, o grupo lotou a casa de espetáculos ATL Hall, na Barra (zona oeste), quando fez seu primeiro show desta temporada no Brasil.

Tanto o show do Rio quanto o de São Paulo foram abertos pela banda Detonautas, que lançaram o primeiro CD. O show de abertura durou meia hora. Começou por volta de 20h27 e terminou às 20h57. O vocalista Tico terminou o show dizendo que havia visto o show do Red Hot no Rio e que gostou demais. "Os caras são foda", disse, no palco.

O show do Red Hot começou pouco antes das 22h com a música "By the Way", a exemplo da apresentação que a banda fez no Rio de Janeiro. Depois, cantou "Scar Tissue", do CD anterior, "Californication" (1999).

Durante o show, a VJ brasileira Fernanda Lima apareceu no palco para pedir para a platéia que parasse com o empurra-empurra para não derrubar a grade de segurança da frente do palco. "Vamos curtir o show na paz", pediu.

O show, que começou por volta das 21h45 e terminou às 23h30, reunindo cerca de 50 mil pessoas no Pacaembu, fica na memória dos fãs do Chili Peppers.

Este foi o segundo show deles no Brasil durante a turnê mundial do álbum "By The Way. O primeiro foi no dia anterior no Rio de Janeiro no ATL Hall. O outro show foi na cidade de Porto Alegre, no dia 14/10/2002.

Confiram o set list do show:

1. Intro
2. By The Way 
3. Scar Tissue 
4. Around the World 
5. Universally Speaking 
6. Otherside 
7. Suck My Kiss 
8. The Zephyr Song 
9. Paralel Universe 
10. If You Have to Ask 
11. Right On Time 
12. I Could Have Lied 
13. Can't Stop 
14. Californication 
15. Venice Queen 
16. Give it Away 
17. Under the Bridge 

Encore: 

18. Havana Affair 
19. Me and My friends

Vídeo do show:

  

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Red Hot Chili Peppers live @ Cidade do México, México - 10/10/2017


Show do Red Hot Chili Peppers no Palacio de los Deportes na Cidade do México, México, no dia 10 de outubro de 2017.

Setlist:

1. Can’t Stop
2. Dani California
3. The Zephyr Song
4. Dark Necessities
5. Mommy Where’s Daddy
6. Me And My Friends
7. Go Robot
8. Californication
9. The Power Of Equality
10. Sick Love
11. Don’t Forget Me
12. Suck My Kiss
13. I Could Have Lied
14. By The Way
Encore:
15. Goodbye Angels
16. Give It Away

Fotos:






Vídeos:

Mommy Where's Daddy @ Cidade do México, México - 10/10/2017

Don't Forget Me @ Cidade do México, México - 10/10/2017

Give It Away @ Cidade do México, México - 10/10/2017

Agradecimentos: Henrik Lewandowski.

Review: Red Hot Chili Peppers live @ Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - 11/10/2002


Hoje, 11 de outubro de 2017, completa 15 anos do show do Red Hot Chili Peppers no Rio de Janeiro - RJ em turnê mundial do álbum "By The Way". O local do show foi no ATL Hall.

Matéria publicada no dia 11/10/2002 por Ellen Soares (free-lance para a Folha Online, no Rio)

8.500 pessoas lotam ATL Hall para ver Red Hot no Rio de Janeiro

Cerca de 8.500 pessoas lotaram na noite desta sexta-feira o ATL Hall, no Rio de Janeiro, onde aconteceu a primeira apresentação da turnê que o grupo californiano Red Hot Chili Peppers faz no Brasil nesta semana.

O número de ingressos vendidos foi maior que a expectativa inicial da organização do megaevento, que era de vender 7.000 entradas. Muita gente ficou na porta do ATL Hall, que fica na Barra (zona oeste do Rio), tentando entrar.

Os quatro integrantes do Red Hot chegaram ao Brasil ontem, ficaram no Rio de Janeiro, e só depois do show de hoje partem para São Paulo, onde fazem show neste sábado, dia 12, no Pacaembu. O baixista do Red Hot, Flea, parou o show para dizer que acordou muito entusiasmado nesta sexta-feira.

Ele disse também que passeou pelas ruas do Rio de Janeiro e que surfou bastante na praia.

Matéria publicada no dia 12/11/2002 por Ellen Soares (free-lance para a Folha Online, no Rio)

Red Hot encerra show no Rio com músicas de 1991

Foi para matar saudade. O show do Red Hot Chili Peppers no Rio de Janeiro nesta sexta-feira passou para a madrugada do sábado - dia em que o grupo californiano faz show em São Paulo - com um tom de volta ao passado. A banda se apresentou no ATL Hall para um público de 8.500 pessoas.

O show teve cerca de uma hora e meia de duração.

Vejam o setlist do show:

1. Intro
2. By The Way
3. Scar Tissue
4. Around The World
5. Universally Speaking
6. Suck My Kiss
7. Parallel Universe
8. Don't Forget Me
9. Havana Affair
10. The Zephyr Song
11. Californication
12. What is soul
13. Right On Time
14. Can't Stop
15. Otherside
16. I Could Have Lied
17. Venice Queen
18. Give It Away

Encore:

19. Under The Bridge
20. Me And My Friends

15 anos da turnê mundial do álbum "By The Way" pelo Brasil em 2002


Hoje, 11 de outubro de 2017, completa 15 anos da volta do Red Hot Chili Peppers ao Brasil em 2002 em turnê mundial do álbum "By The Way". A banda se apresentou no dia 11/10/2002 no Rio de Janeiro - RJ, no dia 12/10/2002 em São Paulo - SP e no dia 14/10/2012 em Porto Alegre - RS.

Na época, o fã-clube RHILA (abreviação de RedHotInLoveApotamus) era o canal de comunicação entre os fãs da banda aqui no Brasil e membros do fã-clube combinaram de se encontrar na fila dos shows, alguns deles deram entrevista para o jornal O Estado De São Paulo contando a expectativa para o show de São Paulo, relembre a matéria publicada no dia 10/10/2002:

Matéria publicada no dia 10/10/2002 por Adriana Del Ré.

Fãs contam segundos para show do Red Hot

Não basta ser fã, é preciso ter sorte. Que o diga a estudante Paula Costa, de 21 anos. Quando os integrantes do Red Hot Chili Peppers vieram ao Brasil, em 1999, uma emissora de rádio lançou uma promoção que daria como prêmio ao vencedor com uma visita ao camarim do grupo no Credicard Hall. Para ter chance de participar da tal promoção, os ouvintes precisavam gastar o dedo discando para um número de telefone fornecido pela rádio.

Depois de dias a fio tentando ligar, em vão, para o número, Paula quase desistiu da empreitada. Pensou melhor e, no dia anterior ao show, arriscou pela última vez. Inesperadamente, conseguiu. Passou algumas informações suas pelo telefone e ficou aguardando a divulgação do nome do felizardo. “No dia do show, soube que era eu”, conta. “Uma hora antes de terminar o show, eu mal podia acreditar que iria encontrá-los.”

Paula não esquece o grande dia: 8 de outubro de 1999. “Estava tudo escuro, com velas acesas e cheiro de incenso. O Flea estava sentado e se levantou para me abraçar, foi um amor”, lembra, com detalhes. “Eu tentava conversar com ele, mas meu inglês era péssimo.” Paula conheceu ainda Anthony Kiedis e John Frusciante, mas não encontrou a mesma recepção calorosa de Chad Smith. Ela diz não ter se importado. “Foram só dez minutos, mas os melhores da minha vida.”

Nesta semana, ela participou de um novo desafio proposto por uma rádio, na esperança de reencontrar os integrantes do Red Hot Chili Peppers no backstage. Não teve a mesma sorte de três anos atrás, mas vai ao show assim mesmo: no Rio, amanhã, e em São Paulo, no sábado.

Dona de 40 CDs e 50 fitas de vídeo, Paula é uma das fundadoras de um fã-clube virtual, de nome comprido, o Redhotinloveapotamus. Atualmente, o fã-clube conta com cerca de 120 membros. Entre eles, o auxiliar de compras Daniel de Aguiar, de 23, filiado há seis meses. Fã confesso do grupo desde que ouviu o hit Suck My Kiss, Daniel conferiu o show no Credicard Hall, em 99, e vai repetir a dose amanhã, no Pacaembu.

No próximo final de semana, vai juntar-se a outros colegas de fã-clube para uma festa de confraternização, onde farão um balanço do show. “O que sempre me atraiu na banda foi a irreverência, a alegria. Hoje, eles estão menos bagunceiros, mas gosto deles mesmo assim.” Para o auxiliar de webdesigner Altair Pereira Santos, de 18 anos, outro membro do fã-clube, o som é o principal mérito do grupo. “Existem músicas deles em que chama mais atenção o baixo, ou a bateria. Isso também depende do momento em que eu as ouço”, diz. “Me tornei fã em 99, quando eles vieram ao Brasil, mas, como eu não tinha idade para entrar no show, minha mãe não me deixou ir.”

Dois anos depois, quando o Red Hot Chili Peppers retornou ao Brasil, desta vez para se apresentar no Rock in Rio, mãe e filho foram ao show juntos. “Este ano, ela queria ir ao Pacaembu também, mas não poderá porque mora em Santos.” Altair vai e na pista. “Comprei o ingresso assim que as vendas começaram.” Com a camisa do fã-clube, vai unir-se aos colegas na fila, às 7 horas da manhã. “A intenção é chegar o mais próximo do palco”, diz o garoto, que sonha mesmo em cantar uma música com o Red Hot. Reconhece, entretanto, o devaneio e conserta. “Tirar uma foto com eles já está de bom tamanho.”

Serviço - Red Hot Chili Peppers. Sábado, às 21 horas. Os portões serão abertos às 17 horas. De R$ 40,00 a R$ 120,00. Estádio do Pacaembu. Praça Charles Muller, s/n.º. Ponto-de-venda sem taxa de conveniência: Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.955). Com taxa de conveniência: Directv Music Hall (Av. dos Jamaris, 213); lojas Saraiva dos shoppings Eldorado e Morumbi; Fnac Pinheiros (Av. Pedroso de Morais, 858) e Campinas (Parque Dom Pedro Shopping). Ingressos para estudantes só serão vendidos na bilheteria do Credicard Hall. Informações e vendas 6846-6000 ou www.ticketmaster.com.br. Patrocínio: Cervejarias Kaiser

Agradecimentos da matéria: Site RHCP Brasil

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Red Hot Chili Peppers live @ Cidade do México, México - 10/10/2017


Show do Red Hot Chili Peppers no Palacio de los Deportes na Cidade do México, México, no dia 10 de outubro de 2017.

Setlist:

1. Around The World
2. Snow ((Hey Oh))
3. Scar Tissue
4. Dark Necessities
5. The Adventures Of Rain Dance Maggie
6. Factory Of Faith
7. Blood Sugar Sex Magik
8. Go Robot
9. Californication
10. Tell Me Baby
11. Encore
12. Higher Ground
13. Under The Bridge
14. By The Way
Encore:
15. Goodbye Angels
16. Give It Away

Fotos:










Vídeos:

Around The World @ Cidade do México, México - 10/10/2017

Dark Necessities @ Cidade do México, México - 10/10/2017

Tell Me Baby @ Cidade do México, México - 10/10/2017

Documentário do álbum Stadium Arcadium legendado em PT/BR

A  John Frusciante Effects publicou o vídeo legendado em PT/BR do documentário feito pelo Red Hot Chili Peppers comentando sobre as músicas do álbum.

Inscreva-se no canal da John Frusciante effects no YouTube: bit.ly/1P0BIza
Siga a John Frusciante effects:
www.facebook.com/jfeffects / www.instagram.com/jfeffects

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

John Frusciante & Josh Klinghoffer - A Sphere In The Heart Of Silence (2004)


Álbum: A Sphere In The Heart Of Silence
Gravadora: Record Collection
Data de lançamento: 23 de novembro de 2004
Gênero: Rock experimental; eletrônica
Produtor: John Frusciante e Josh Klinghoffer

Faixas:
01 - Sphere
02 - The Afterglow
03 - Walls
04 - Communique
05 - At Your Enemies
06 - Surrogate People
07 - My Life

Descrição do Álbum:
A Sphere In The Heart Of Silence é o nono álbum de Frusciante, composto com a colaboração de seu amigo Josh Klinghoffer. Ambos consitituem os vocais: Frusciante é primeira voz emThe AfterglowWalls e My Life; Klinghoffer é primeira voz em Communique e At Your Enemies. Já em Surrogate People dividem a liderança vocal.

Curiosidades:
- No fim de My Life pode-se ouvir John levantando, saindo do estudio e fechando a porta.
Sphere teve que ser encurtada em cerca de dois terços, porque a versão original tinha em torno de trinta minutos.
- E esse álbum só aconteceu mais mesmo, porque o John tinha como intuinto fazer Performances ao vivo na "Knitting Factory". 

Autobiografia do Álbum:
A Sphere In The Heart Of Silence é uma gravação de música eletrônica feito por Josh Klinghoffer e eu. Depois de alguns meses fazendo músicas cruas e/ou minimizando nós decidimos voltar a fazer músicas com mais camadas, músicas eletrônicas ricas em texturas. Foi registrado como se estivesse em 1970, mas com modernos instrumentos eletrônicos que não existiam naquela época.

A primeira música “Sphere” foi originalmente feita pra ser tocada ao vivo na Performance #1, a primeira de uma série de dez shows conceituados individualmente, consistindo principalmente de música experimental. Ela foi reduzida para 10 minutos pela proposta de caber num disco. A versão original, como foi apresentada na Performance #1, teve 30 minutos de duração.

A segunda, “The Afterglow” é do tempo das canções do Shadows [...]. Metade dessas músicas foram originalmente planejadas pra fazerem parte do Shadows mas nós decidimos focar mais o meu lado compositor e guardar nosso material mais experimental pra esse álbum. Em “The Afterglow” Josh escreve e tocou toda a música e eu escrevi um vocal sobre a sua gravação 8 pistas original. É divertido cantar sobre uma música tão viajada em camadas. Dois baixos e duas guitarras.

A base de “Walls” foi programada em cerca de 15 minutos na manhã da Performance #5 quando nós abrimos para o Blonde Redhead em Pomona. Eu dancei e fiz vocais alguns efeitos vocais abstratos naquela noite, mas quando gravamos eu escrevi um vocal peculiar (literalmente escrito enquanto a drum machine estava gravando) Esta música viaja do passado pro futuro e depois volta.

“Communique” foi originalmente apresentada na Performance #2 no Knitting Factory, em Hollywood. Esta é uma daquelas gravações tão raras no mundo de hoje que é demorou pra gravar tanto quanto é preciso pra escutá-la. Josh cantou e tocou piano enquanto eu fiz ruídos em meu sintetizador modular e não teve edições.
“At Your Enemies” e “Surrogate People” foram ambas do tempo do Shadows. Elas foras escritas pelo Josh, com exceção dos meus vocais em “Surrogate People”. Nós estávamos descobrindo tanto sobre fazer música eletrônica naquela época e álbuns tipo Amnesiac (Radiohead), Verpertine (Björk) e Confield (Autechre) estavam sendo lançados na época que a estávamos abrindo as mentes para infinitas possibilidades dessa esfera.

A última música, chamada “My Life”. Foi originalmente apresentada na Performance #4. Como “Comunique”, “My Life” foi gravada ao vivo. Os passos no chão no fim da música sou eu, voltando para a sala de controle.

Minha amizade com Josh é algo que me sinto abençoado em ter. Ter experimentado tanta intimidade através de escutar música juntos, assim como tocar música juntos é uma das principais coisas que tem dado significado à minha vida.

Obrigado por ouvir. Há mais por vir.”
John Frusciante 


Créditos:
Duração: 38 minutos e 29 segundos 
Produzido por: John Frusciante e Josh Klinghoffer
Desenhado por: Ryan Hewitt
Mixagem: Ryan Hewitt
Assistentes: Chris Reynolds e Jason Gossman
Gravado / mixado em / Quando: Mad Dog Studios (09 à11 de abril de 2004) e no Cello Studios (14-15 de abril 2004)
Masterizado por / onde: Bernie Grundman / Bernie Grundman Mastering Hollywood, CA, E.U.A.
Design: Mike Piscitelli e John Frusciante
Foto da capa por: Lola Montes
Equipamentos por: Dave Lee
Administração: Q-Prime Inc. 

Agradecimentos: Universo Frusciante

Escute o álbum todo no YouTube: